Remoções e Despejos

Se a questão habitacional no Brasil já é grave por si só, a realização da Copa do Mundo 2014 em doze cidades e das Olimpíadas 2016 no Rio de Janeiro agrega um novo elemento: grandes projetos urbanos com extraordinários impactos econômicos, fundiários, urbanísticos, ambientais e sociais. Dentre estes últimos sobressai a remoção forçada, em massa, de 150.000 a 170.000 pessoas (os governos se recusam a dar informações precisas). Dentre os inúmeros casos relatados pelos Comitês Populares da Copa destas cidades, emerge um padrão claro e de abrangência nacional. As ações governamentais são, em sua maioria, comandadas pelo poder público municipal com o apoio das instâncias estaduais e, em alguns casos, federais, tendo como objetivo específico a retirada de moradias utilizadas de maneira mansa e pacífica, ininterruptamente, sem oposição do proprietário e por prazo superior a cinco anos (premissas para a usucapião urbana). Como objetivo mais geral, limpar o terreno para grandes projetos imobiliários com fins comerciais.

Trata-se, via de regra, de comunidades localizadas em regiões que, ao longo do tempo, tiveram enormes valorizações e passaram a ser objeto da cobiça dos que fazem da valorização imobiliária a fonte de seus fabulosos lucros. Mas os motivos alegados para a remoção forçada são, evidentemente, outros: favorecer a mobilidade urbana, preservar as populações em questão de riscos ambientais e, mesmo, a melhoria de suas condições de vida... mesmo que a sua revelia e contra sua vontade. Como pressuposto mais geral, a idéia de que os pobres, coitados, não sabem o que é melhor para eles.

As estratégias utilizadas uniformemente em todo o território nacional se iniciam quase sempre pela produção sistemática da desinformação, que se alimenta de notícias truncadas ou falsas, a que se somam propaganda enganosa e boatos. Em seguida, começam a aparecer as ameaças. Caso se manifeste alguma resistência, mesmo que desorganizada, advém o recrudescimento da pressão política e psicológica. Ato final: a retirada dos serviços públicos e a remoção violenta.

Em todas as fases há uma variada combinação de violações aos direitos humanos: direito à moradia e direito à informação nestas situações caminham juntos, como juntas caminhas as violações que se concretizam.

(trecho extraído do capítulo "Moradia" do Dossiê: Megaeventos e Violações de Direitos Humanos no Brasil)

Artigos relacionados

19Feb 2014
NÃO VAI TER MORADIA?

Fonte: Articulação Nacional | Categoria: Remoções e Despejos

Mais de 250 mil pessoas perderam suas casas por conta das obras para a Copa, sem as devidas indenizações. Negativa de legalização fundiária, despejos violentos,... Leia Mais
17Feb 2014
Relatora da ONU visita Salvador para conhecer denuncias de violações dos direitos à moradia e discutir com autoridades saídas concretas para o problema

Fonte: Comitê Salvador | Categoria: Remoções e Despejos

A Relatora Especial para o Direito à Moradia Adequada do Conselho de Direitos Humanos da ONU, a arquiteta e urbanista Raquel Rolnik, estará em Salvador, Bahia, ... Leia Mais
06Feb 2014
Copa no Brasil deixará ônus, e não legado, diz relatora da ONU

Fonte: Articulação Nacional | Categoria: Remoções e Despejos

Para a urbanista Raquel Rolnik, o legado urbanístico que a Copa do Mundo vai deixar para o País não será significativo Por Paula Bianchi   Tidos pelo poder p... Leia Mais
06Dec 2013
Plano Popular da Vila Autódromo ganha Prêmio Internacional de Urbanismo

Fonte: Articulação Nacional | Categoria: Remoções e Despejos

  Associação pretende construir creche e cooperativa de reciclagem com a premiação de 80 mil dólares Moradores da Vila Autódromo comemoraram na noite desta... Leia Mais