Articulação Nacional

Articulação Nacional

¡Porqué el Mundial de Fútbol puede ser diferente!

Articulación Nacional de los Comités Populares del Mundial – ANCOP

Brasil vive un nuevo momento con las movilizaciones populares en las calles. Desde el día 13 de junio, la Jornada de Luchas – ¿Mundial para quién? (Copa para quem?) se soma al Movimiento Pase Libre y a las manifestaciones por la reducción de las tarifas del transporte público, en la lucha por derechos para el pueblo y en contra el modelo de represión y exclusión social que hoy se establece en nuestro país.

En todos los partidos de la Copa de las Confederaciones hasta el momento, presenciamos la brutal represión de los Gobiernos en nombre de los intereses de la FIFA y sus patrocinadores. Reafirmamos que todos los actos que realizamos fueron pacíficos y que no impedían el acceso de los aficionados en los estadios.

Luchando por la libertad de expresión y manifestación, presenciamos la acción de las fuerzas de represión al movimiento, que resultaron en muchos heridos y en encarcelamientos  arbitrarios. Creemos que la criminalización de los actos y de los liderazgos solo evidencia el carácter dictatorial del Estado capitalista en Brasil.

Entendemos que el Mundial es un negocio impuesto por la FIFA – conjuntamente con los grandes conglomerados empresariales y pactados con el Estado Brasileño – que viola derechos humanos. Se están suprimiendo derechos sociales conquistados con mucho esfuerzo en Brasil para la realización de ese negocio. Entendemos que la acción política es un derecho fundamental que nos constituye como ciudadanos responsables por la construcción de un mundo más humano, dónde todos, para que sean libres, necesitan tener sus derechos asegurados, especialmente el de hablar y ser oído.

Las movilizaciones populares ya lograron reducir las tarifas en varias ciudades del país. Para nosotros, solamente la lucha popular podrá construir un nuevo modelo de inclusión y participación social, un nuevo modelo de ciudad que rescata el derecho de quién vive en ella: el pueblo. En unión y respeto a las luchas que siguen, convocamos a todos(as) y en todas las ciudades del Brasil a que se unan en el día 30 de junio en una grande movilización en el encierre de la Copa de las Confederaciones, para que preguntemos en la calle, juntos: ¿Mundial para quién?

Vamos reforzar la lucha iniciada en 2010 por los Comités Populares, que organizados en las 12 ciudades-sedes de los juegos en el país, vienen apoyando los movimientos sociales y las comunidades en la lucha por derechos amenazados por los mega eventos. Ya hicimos reuniones con los gobiernos, elaboramos relatorías sobre las violaciones de derechos humanos y, con el apoyo de distintas organizaciones, conseguimos denunciar tales violaciones al mundo. En especial, las Naciones Unidas ya intervinieron, cuestionando y exigiendo la paralización de los desalojos y la construcción de política de vivienda digna en el país, puesto que la “Minha casa, minha vida” y sus derivados primero atienden a los intereses de la burbuja inmobiliaria.

La Jornada de Luchas – ¿Mundial para Quién? tiene por objetivo hacer las denuncias de violaciones de derechos abajo listadas y exigir respuestas urgentes del poder público.

Hoy hay 250 mil personas amenazadas o que ya fueron desalojadas de sus casas por causa de  las obras relacionada con el Mundial (2014) o con las Olimpiadas (2016). Por ello, entendemos que los desalojos deben ser considerados como última alternativa. Pero en el caso de que necesiten ser realizados, cada casa desalojada debe, primeramente, ser compensada por otra en igual o mejor condición en la misma región. Exigimos la paralización de todas las obras hasta la resolución de los problemas de desalojos.

En las ediciones anteriores de los juegos mundiales, hubo un aumento de la explotación sexual de niños y mujeres. Preocupados con eso, luchamos por la protección de niños, adolecentes y mujeres, buscados por las mafias de turismo sexual. Exigimos urgentemente la elaboración de medidas efectivas que atiendan las prerrogativas del Estatuto de los niños y adolescentes y los derechos de las mujeres, con la creación de un Plan Nacional de Protección a la Explotación sexual en los Mega Eventos. Además, exigimos que no sean decretadas vacaciones escolares durante los eventos, para garantizar que nos niños tengan su derecho a educación.

En los últimos dos años hemos presenciado la destrucción de estadios para la construcción billonaria de arenas de carácter elitista en el “padrón FIFA”. Desde el comienzo, denunciamos que no era necesario, para jugar fútbol, la realización de casi ninguna de estas obras. Exigimos la reversión de la fraudulenta y criminosa privatización del complexo Maracanã y la paralización del proceso de privatización de los otros estadios. Exigimos que los estadios no sean privatizados y que puedan ser utilizados para la promoción de la práctica deportiva y cultural de la población de cada ciudad.

Exigimos una auditoría con participación popular en todas las cuentas del Mundial y de las Olimpiadas, desde la construcción de los Estadios hasta la compra de entradas para las autoridades políticas, teniendo en cuenta el uso del dinero público para esas obras.

Exigimos que el derecho al trabajo sea respetado. No existe justificación, fuera el interés de lucro de los grandes monopolios mundiales, para la prohibición del trabajo autónomo, de los artistas y vendedores informales durante los partidos. Repudiamos la exigencia de encerramientos de locales de trabajo o de la venta de productos exclusivamente de los patrocinadores del Mundial.

Queremos que los ingresos del Mundial lleguen a los brasileños y que nuestros productos locales puedan ser ofrecidos a los turistas.

Exigimos que la mascota y todos nuestros símbolos que se están utilizando para promover el Mundial no sean propiedad de la FIFA. Deben ser patrimonios públicos, y por lo tanto, de libre uso por parte del pueblo.

Exigimos que los gobernantes paren de expulsar la población en situación de calle próxima de los estadios y de los centros de las ciudades.

Defendemos que todavía es posible realizar un Mundial diferente. Un Mundial que mire primero los derechos del pueblo brasileño. Un Mundial que promueva la inclusión social y fortalezca el derecho a la ciudad, al revés de un Mundial que promueva la exclusión y la privatización de los espacios públicos. No queremos que el Mundial sea regulado por leyes de excepción que favorezcan la represión.

Las recientes conquistas en las calles y la solidaridad recibida de los jugadores de la selección brasileña y de diversos otros artistas y deportistas muestran que somos muchos.

Por eso luchamos, por eso vamos a las calles. Por eso, invitamos a todos y todas para el día 30 de junio. Venga para la calle y cuestione con nosotros: ¿Mundial para quién?

 

Más informaciones: Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

Porque a Copa do Mundo pode ser diferente!

Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa – ANCOP



O Brasil vive um novo momento com as mobilizações populares nas ruas. Desde a semana retrasada, a Jornada de Lutas – Copa pra Quem? se soma ao Movimento Passe Livre e as manifestações pela redução da tarifa do transporte público, na luta por direitos para o povo e contra o modelo de repressão e exclusão social que hoje vigora em nosso país.

Em todos os jogos da Copa das Confederações até o momento, presenciamos a brutal repressão dos Governos em nome dos interesses da FIFA e de seus patrocinadores. Reafirmamos que todos os atos que promovemos foram pacíficos e que não impediam o acesso dos torcedores aos estádios.

Lutando pela liberdade de expressão e manifestação, mas assistimos a ação das forças de repressão ao movimento, que resultaram em muitos feridos e em prisões arbitrárias. Acreditamos que a criminalização dos atos e das lideranças só evidencia o caráter ditatorial do Estado capitalista no Brasil.

Entendemos que a Copa do Mundo é um negócio imposto pela FIFA - conjuntamente com os grandes conglomerados empresariais e compactuado pelo Estado Brasileiro - que viola os direitos humanos. Direitos sociais conquistados com muito esforço no Brasil estão sendo suprimidos para a realização desse negócio. Entendemos que a ação política é um direito fundamental que nos constitui como cidadãos responsáveis pela construção do mundo humano, onde todos, para serem livres precisam ter assegurado seus direitos, especialmente o de falar e o de ser ouvido.

As mobilizações populares já conseguiram reduzir tarifas em várias cidades do país. Para nós, somente a luta popular poderá construir um novo modelo de inclusão e participação social, um novo modelo de cidade que resgata o direito de quem vive nela: o povo. Em união e respeito às lutas que se seguem, convocamos todos(as) e em todas as cidades do Brasil a se unirem no dia 30 de junho em uma grande mobilização no encerramento da Copa das Confederações para juntos na rua reivindicarmos: Copa pra Quem?

Vamos reforçar a luta iniciada em 2010 pelos Comitês Populares que organizados nas 12 cidades sede dos jogos no país, vem apoiando os movimentos sociais e as comunidades na sua luta por direitos ameaçados pelos megaeventos. Já fizemos reuniões com os governos, elaboramos relatórios sobre as violações aos direitos humanos e com apoio de diversas organizações, conseguimos denunciar as violações mundo afora. Em especial, a própria ONU já interveio questionando e exigindo a paralisação das remoções e a construção de política de moradia digna no país, dado que o Minha Casa Minha Vida e seus derivados atendem primeiro aos interesses da especulação imobiliária.

Jornada de Lutas – Copa pra Quem? tem por objetivo fazer as denúncias de violações de direitos abaixo listadas e exigir respostas urgentes do poder público.

Hoje são 250 mil pessoas ameaçadas ou que já foram removidas de suas casas por causa de alguma obra relacionada com a Copa (2014) ou com as Olimpíadas (2016). Por isso, entendemos que as remoções devem ser consideradas como última alternativa, mas caso sejam realizadas, cada casa removida deve primeiramente ser compensada com outra em igual ou melhor condição na mesma região. Exigimos a paralisação de todas as obras até a resolução do problema das remoções.

Nas edições anteriores desses jogos mundiais, houve um aumento da exploração sexual de crianças e mulheres. Lutamos para a proteção das crianças, adolescentes e mulheres, alvos constantes das máfias da exploração sexual. Exigimos urgência na elaboração de medidas efetivas e que atendam as prerrogativas do ECA e dos direitos das mulheres, com a criação de um Plano Nacional de Proteção à Exploração Sexual nos Megaeventos. Além disso, exigimos que não sejam decretadas férias escolares durante os eventos, para garantir que as crianças tenham seu direito à educação garantido.

Nos últimos dois anos presenciamos a destruição de estádios para a construção bilionária de arenas de caráter elitista no “padrão FIFA”. Desde o início denunciamos que não era necessário, para se jogar futebol, a realização de quase nenhuma destas obras. Exigimos a reversão da fraudulenta e criminosa privatização do complexo Maracanã e a paralisação do processo de privatização dos outros estádios. Exigimos que os estádios construídos não sejam privatizados e que possam ser utilizados para a promoção da prática esportiva e cultural da população de cada cidade.

Exigimos uma auditoria com participação popular em todas as contas da Copa e das Olimpíadas, desde a construção dos Estádios até a compra de ingressos para autoridades políticas, tendo em vista o uso do dinheiro público para estas obras.

Exigimos que o direito ao trabalho seja respeitado. Não existe justificativa, fora o interesse do lucro de grandes monopólios mundiais, para a proibição do trabalho dos ambulantes, dos artistas e dos camelôs durante os jogos. Repudiamos a exigência de fechamentos de locais de trabalho ou da venda de produtos exclusivos dos patrocinados.

Exigimos que a criatividade cultural e artística brasileira seja valorizada e promovida. Queremos que a renda da Copa venha para os brasileiros e que nossos produtos locais sejam oferecidos aos turistas.

Exigimos que o mascote e todos os nossos símbolos que estão sendo usados para divulgar a Copa do Mundo não sejam propriedade da FIFA. Devem ser patrimônio público e, portanto, de livre uso por parte do povo.

Exigimos que os governantes parem de expulsar a população em situação de rua das regiões próximas aos estádios e dos centros das cidades.

Defendemos que ainda é possível realizar uma Copa do Mundo diferente. Uma Copa que olhe primeiro para os direitos do povo brasileiro e somente depois para as exigências da FIFA. Uma Copa que promova a inclusão social e fortaleça o direito a cidade, ao invés de uma Copa que induza a exclusão e a privatização dos espaços públicos. Não queremos que a Copa seja regulada por leis de exceção que favorecem a repressão.

As recentes conquistas das ruas e a solidariedade recebida dos jogadores da seleção brasileira e diversos outros artistas e esportistas mostram que somos muitos. Por isto lutamos, por isto vamos às ruas. Por isto convidamos todos e todas para o dia 30 de junho. Venha para a rua e questione com a gente: Copa para Quem?

 

Mais informações: Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

Why the World Cup may be different!

National Coordination of World Cup Popular Committees - ANCOP

Brazil is experiencing a new moment with the popular mobilizations in the streets. Since the beginning of June, our Journey – World Cup for Who? Had joined to the Free Pass Movement and the fights for reducing the rate of public transport, the fight, for the rights to the people and against the model of repression and exclusion that prevails in our country.

In all games of the Confederations Cup so far, we saw the brutal repression of the governments in the interests of FIFA and its sponsors. We reaffirm that all acts that we promoted had the characteristic of peaceful and had no intention to prevent the access of spectators to the stadiums.

We fighting for freedom of speech and expression, but we watched the action of the forces of repression, which resulted in many injured and arbitrary arrests. We believe that the criminalization of acts and some “leadership” are highlights of the dictatorial character of the capitalist state in Brazil.

We understand that the World Cup is a business imposed by FIFA - together with the large conglomerates and accepted by Brazil Government - which violates human rights. Social rights won with great effort in Brazil are being suppressed to conduct this business. We believe that political action is a fundamental right that constitutes us as citizens responsible for building the world, where everyone must be free to have secured his rights, especially speaking and being heard.

Popular mobilizations have been able to reduce rates in cities across the country. For us, only the popular struggle can build a new model of social inclusion and participation, a new city model that rescues the right of those who live in it: the people. In unity and respect the struggles that follow, we invite all the cities of Brazil to join on June 30 in a major mobilization at the end of the Confederations Cup together to reclaim the street: World Cup for Whom?

We will strengthen the fight started in 2010 by Popular Committees organized in 12 cities that host the games in the country, has been supporting social movements and communities in their struggle for rights threatened by the mega events. We've done meetings with governments, elaborate reports on human rights violations and support of several organizations, we can report violations worldwide. In particular, the UN itself has intervened questioning and demanding the stoppage of evictions and the construction of decent housing policy in the country since the Minha Casa Minha Vida and their first derivatives serve the interests of real estate speculation.

The Journey – World Cup for Who? aims to make allegations of violations listed below and require urgent responses of government.

Today 250,000 people are threatened or have been removed from their homes because of some work related to the World Cup (2014) and the Olympics (2016). We therefore believe that the removal should be considered as a last resort, but if they are carried out, each house must first be removed compensated with another in equal or better condition in the same region. We demand the stoppage of all work linked to the Games until the solution of the evictions problem.

In previous editions of the World Games, there was an increase in the sexual exploitation of children and women. We fight for the protection of children, adolescents and women, constant targets of groups interested in sexual exploitation. We require urgently in developing effective measures that meet the prerogatives of the rights of women and childen, with the creation of a National Plan for the Protection of Sexual Exploitation in World Games. In addition, we require that school holidays are not enacted during events to ensure that children have their right to education guaranteed.

The past two years witnessed the destruction of the building stadiums for the construction of billionaire and elitist arenas character in "FIFA standard." From the beginning we pointed out that it was not necessary, to play football, holding almost none of these works. We demand the reversal of the fraudulent and criminal privatization of the Maracanã and stoppage of the process of privatization of other stadiums. We demand that the stadiums built are not privatized and can be used for the promotion of sports and cultural population of each city.

We demand an audit with popular participation in all accounts of the World Cup and the Olympics, since the construction of the stadiums and other works to purchase tickets to political authorities, in view of the use of public money for these works.

We demand the right to job is respected. There is no justification, outside interest earnings of major world monopolies, for the prohibition of the local vendors and artists during games. We reject the requirement of workplace closures or sales of exclusive products of sponsored.

We demand that the Brazilian artistic and cultural creativity is valued and promoted. We want the income World Cup comes to Brazil and our local products are offered to tourists.

We require all of our mascot and symbols that are being used to promote the World Cup not owned by FIFA should be public property and therefore free to use by the people.

We demand that governments stop removing people on the streets of the regions near the stadiums and the inner cities.

We argue that it is still possible to perform a different World Cup. A Cup that first look at the rights of the Brazilian people and then for the requirements of FIFA. A Cup that promotes social inclusion and strengthen the right to the city, instead of a cup that encourages exclusion and privatization of public spaces. We do not want the World Cup is governed by emergency laws that favor the repression.

 

The streets mobilization and solidarity received from the Brazilian national team players and many other artists and sportsmen show that we are many. For this fight, so we go to the streets. Therefore we invite all and all for June 30. Come to the street and question with us: World Cup for Who?

 

¡Porqué el Mundial de Fútbol puede ser diferente!

Articulación Nacional de los Comités Populares del Mundial – ANCOP

Brasil vive un nuevo momento con las movilizaciones populares en las calles. Desde el día 13 de junio, la Jornada de Luchas – ¿Mundial para quién? (Copa para quem?) se soma al Movimiento Pase Libre y a las manifestaciones por la reducción de las tarifas del transporte público, en la lucha por derechos para el pueblo y en contra el modelo de represión y exclusión social que hoy se establece en nuestro país.

En todos los partidos de la Copa de las Confederaciones hasta el momento, presenciamos la brutal represión de los Gobiernos en nombre de los intereses de la FIFA y sus patrocinadores. Reafirmamos que todos los actos que realizamos fueron pacíficos y que no impedían el acceso de los aficionados en los estadios.

Luchando por la libertad de expresión y manifestación, presenciamos la acción de las fuerzas de represión al movimiento, que resultaron en muchos heridos y en encarcelamientos  arbitrarios. Creemos que la criminalización de los actos y de los liderazgos solo evidencia el carácter dictatorial del Estado capitalista en Brasil.

Entendemos que el Mundial es un negocio impuesto por la FIFA – conjuntamente con los grandes conglomerados empresariales y pactados con el Estado Brasileño – que viola derechos humanos. Se están suprimiendo derechos sociales conquistados con mucho esfuerzo en Brasil para la realización de ese negocio. Entendemos que la acción política es un derecho fundamental que nos constituye como ciudadanos responsables por la construcción de un mundo más humano, dónde todos, para que sean libres, necesitan tener sus derechos asegurados, especialmente el de hablar y ser oído.

Las movilizaciones populares ya lograron reducir las tarifas en varias ciudades del país. Para nosotros, solamente la lucha popular podrá construir un nuevo modelo de inclusión y participación social, un nuevo modelo de ciudad que rescata el derecho de quién vive en ella: el pueblo. En unión y respeto a las luchas que siguen, convocamos a todos(as) y en todas las ciudades del Brasil a que se unan en el día 30 de junio en una grande movilización en el encierre de la Copa de las Confederaciones, para que preguntemos en la calle, juntos: ¿Mundial para quién?

Vamos reforzar la lucha iniciada en 2010 por los Comités Populares, que organizados en las 12 ciudades-sedes de los juegos en el país, vienen apoyando los movimientos sociales y las comunidades en la lucha por derechos amenazados por los mega eventos. Ya hicimos reuniones con los gobiernos, elaboramos relatorías sobre las violaciones de derechos humanos y, con el apoyo de distintas organizaciones, conseguimos denunciar tales violaciones al mundo. En especial, las Naciones Unidas ya intervinieron, cuestionando y exigiendo la paralización de los desalojos y la construcción de política de vivienda digna en el país, puesto que la “Minha casa, minha vida” y susderivados primero atienden a los intereses de la burbuja inmobiliaria.

La Jornada de Luchas – ¿Mundial para Quién? tiene por objetivo hacer las denuncias de violaciones de derechos abajo listadas y exigir respuestas urgentes del poder público.

Hoy hay 250 mil personas amenazadas o que ya fueron desalojadas de sus casas por causa de  las obras relacionada con el Mundial (2014) o con las Olimpiadas (2016). Por ello, entendemos que los desalojos deben ser considerados como última alternativa. Pero en el caso de que necesiten ser realizados, cada casa desalojada debe, primeramente, ser compensada por otra en igual o mejor condición en la misma región. Exigimos la paralización de todas las obras hasta la resolución de los problemas de desalojos.

En las ediciones anteriores de los juegos mundiales, hubo un aumento de la explotación sexual de niños y mujeres. Preocupados con eso, luchamos por la protección de niños, adolecentes y mujeres, buscados por las mafias de turismo sexual. Exigimos urgentemente la elaboración de medidas efectivas que atiendan las prerrogativas del Estatuto de los niños y adolescentes y los derechos de las mujeres, con la creación de un Plan Nacional de Protección a la Explotación sexual en los Mega Eventos. Además, exigimos que no sean decretadas vacaciones escolares durante los eventos, para garantizar que nos niños tengan su derecho a educación.

En los últimos dos años hemos presenciado la destrucción de estadios para la construcción billonaria de arenas de carácter elitista en el “padrón FIFA”. Desde el comienzo, denunciamos que no era necesario, para jugar fútbol, la realización de casi ninguna de estas obras. Exigimos la reversión de la fraudulenta y criminosa privatización del complexo Maracanã y la paralización del proceso de privatización de los otros estadios. Exigimos que los estadios no sean privatizados y que puedan ser utilizados para la promoción de la práctica deportiva y cultural de la población de cada ciudad.

Exigimos una auditoría con participación popular en todas las cuentas del Mundial y de las Olimpiadas, desde la construcción de los Estadios hasta la compra de entradas para las autoridades políticas, teniendo en cuenta el uso del dinero público para esas obras.

Exigimos que el derecho al trabajo sea respetado. No existe justificación, fuera el interés de lucro de los grandes monopolios mundiales, para la prohibición del trabajo autónomo, de los artistas y vendedores informales durante los partidos. Repudiamos la exigencia de encerramientos de locales de trabajo o de la venta de productos exclusivamente de los patrocinadores del Mundial.

Queremos que los ingresos del Mundial lleguen a los brasileños y que nuestros productos locales puedan ser ofrecidos a los turistas.

Exigimos que la mascota y todos nuestros símbolos que se están utilizando para promover el Mundial no sean propiedad de la FIFA. Deben ser patrimonios públicos, y por lo tanto, de libre uso por parte del pueblo.

Exigimos que los gobernantes paren de expulsar la población en situación de calle próxima de los estadios y de los centros de las ciudades.

Defendemos que todavía es posible realizar un Mundial diferente. Un Mundial que mire primero los derechos del pueblo brasileño. Un Mundial que promueva la inclusión social y fortalezca el derecho a la ciudad, al revés de un Mundial que promueva la exclusión y la privatización de los espacios públicos. No queremos que el Mundial sea regulado por leyes de excepción que favorezcan la represión.

Las recientes conquistas en las calles y la solidaridad recibida de los jugadores de la selección brasileña y de diversos otros artistas y deportistas muestran que somos muchos.

Por eso luchamos, por eso vamos a las calles. Por eso, invitamos a todos y todas para el día 30 de junio. Venga para la calle y cuestione con nosotros: ¿Mundial para quién?


Porque a Copa do Mundo pode ser diferente!

Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa – ANCOP



O Brasil vive um novo momento com as mobilizações populares nas ruas. Desde a semana retrasada, a Jornada de Lutas – Copa pra Quem? se soma ao Movimento Passe Livre e as manifestações pela redução da tarifa do transporte público, na luta por direitos para o povo e contra o modelo de repressão e exclusão social que hoje vigora em nosso país.

Em todos os jogos da Copa das Confederações até o momento, presenciamos a brutal repressão dos Governos em nome dos interesses da FIFA e de seus patrocinadores. Reafirmamos que todos os atos que promovemos foram pacíficos e que não impediam o acesso dos torcedores aos estádios.

Lutando pela liberdade de expressão e manifestação, mas assistimos a ação das forças de repressão ao movimento, que resultaram em muitos feridos e em prisões arbitrárias. Acreditamos que a criminalização dos atos e das lideranças só evidencia o caráter ditatorial do Estado capitalista no Brasil.

Entendemos que a Copa do Mundo é um negócio imposto pela FIFA - conjuntamente com os grandes conglomerados empresariais e compactuado pelo Estado Brasileiro - que viola os direitos humanos. Direitos sociais conquistados com muito esforço no Brasil estão sendo suprimidos para a realização desse negócio. Entendemos que a ação política é um direito fundamental que nos constitui como cidadãos responsáveis pela construção do mundo humano, onde todos, para serem livres precisam ter assegurado seus direitos, especialmente o de falar e o de ser ouvido.

As mobilizações populares já conseguiram reduzir tarifas em várias cidades do país. Para nós, somente a luta popular poderá construir um novo modelo de inclusão e participação social, um novo modelo de cidade que resgata o direito de quem vive nela: o povo. Em união e respeito às lutas que se seguem, convocamos todos(as) e em todas as cidades do Brasil a se unirem no dia 30 de junho em uma grande mobilização no encerramento da Copa das Confederações para juntos na rua reivindicarmos: Copa pra Quem?

Vamos reforçar a luta iniciada em 2010 pelos Comitês Populares que organizados nas 12 cidades sede dos jogos no país, vem apoiando os movimentos sociais e as comunidades na sua luta por direitos ameaçados pelos megaeventos. Já fizemos reuniões com os governos, elaboramos relatórios sobre as violações aos direitos humanos e com apoio de diversas organizações, conseguimos denunciar as violações mundo afora. Em especial, a própria ONU já interveio questionando e exigindo a paralisação das remoções e a construção de política de moradia digna no país, dado que o Minha Casa Minha Vida e seus derivados atendem primeiro aos interesses da especulação imobiliária.

Jornada de Lutas – Copa pra Quem? tem por objetivo fazer as denúncias de violações de direitos abaixo listadas e exigir respostas urgentes do poder público.

Hoje são 250 mil pessoas ameaçadas ou que já foram removidas de suas casas por causa de alguma obra relacionada com a Copa (2014) ou com as Olimpíadas (2016). Por isso, entendemos que as remoções devem ser consideradas como última alternativa, mas caso sejam realizadas, cada casa removida deve primeiramente ser compensada com outra em igual ou melhor condição na mesma região. Exigimos a paralisação de todas as obras até a resolução do problema das remoções.

Nas edições anteriores desses jogos mundiais, houve um aumento da exploração sexual de crianças e mulheres. Lutamos para a proteção das crianças, adolescentes e mulheres, alvos constantes das máfias da exploração sexual. Exigimos urgência na elaboração de medidas efetivas e que atendam as prerrogativas do ECA e dos direitos das mulheres, com a criação de um Plano Nacional de Proteção à Exploração Sexual nos Megaeventos. Além disso, exigimos que não sejam decretadas férias escolares durante os eventos, para garantir que as crianças tenham seu direito à educação garantido.

Nos últimos dois anos presenciamos a destruição de estádios para a construção bilionária de arenas de caráter elitista no “padrão FIFA”. Desde o início denunciamos que não era necessário, para se jogar futebol, a realização de quase nenhuma destas obras. Exigimos a reversão da fraudulenta e criminosa privatização do complexo Maracanã e a paralisação do processo de privatização dos outros estádios. Exigimos que os estádios construídos não sejam privatizados e que possam ser utilizados para a promoção da prática esportiva e cultural da população de cada cidade.

Exigimos uma auditoria com participação popular em todas as contas da Copa e das Olimpíadas, desde a construção dos Estádios até a compra de ingressos para autoridades políticas, tendo em vista o uso do dinheiro público para estas obras.

Exigimos que o direito ao trabalho seja respeitado. Não existe justificativa, fora o interesse do lucro de grandes monopólios mundiais, para a proibição do trabalho dos ambulantes, dos artistas e dos camelôs durante os jogos. Repudiamos a exigência de fechamentos de locais de trabalho ou da venda de produtos exclusivos dos patrocinados.

Exigimos que a criatividade cultural e artística brasileira seja valorizada e promovida. Queremos que a renda da Copa venha para os brasileiros e que nossos produtos locais sejam oferecidos aos turistas.

Exigimos que o mascote e todos os nossos símbolos que estão sendo usados para divulgar a Copa do Mundo não sejam propriedade da FIFA. Devem ser patrimônio público e, portanto, de livre uso por parte do povo.

Exigimos que os governantes parem de expulsar a população em situação de rua das regiões próximas aos estádios e dos centros das cidades.

Defendemos que ainda é possível realizar uma Copa do Mundo diferente. Uma Copa que olhe primeiro para os direitos do povo brasileiro e somente depois para as exigências da FIFA. Uma Copa que promova a inclusão social e fortaleça o direito a cidade, ao invés de uma Copa que induza a exclusão e a privatização dos espaços públicos. Não queremos que a Copa seja regulada por leis de exceção que favorecem a repressão.

As recentes conquistas das ruas e a solidariedade recebida dos jogadores da seleção brasileira e diversos outros artistas e esportistas mostram que somos muitos. Por isto lutamos, por isto vamos às ruas. Por isto convidamos todos e todas para o dia 30 de junho. Venha para a rua e questione com a gente: Copa para Quem?

 

Mais informações: Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

Fonte: UN Human Rights, 14/06/2013 (Below original in english)

GENEBRA, 14 de junho de 2013 - Na véspera de 2013, Copa das Confederações no Brasil, a Relatora Especial da ONU sobre moradia adequada, Raquel Rolnik, disse hoje: "Eu reconheço que os megaeventos esportivos podem ser uma oportunidade para melhorar o acesso à moradia adequada, por exemplo, através de melhores sistemas de transporte e melhorias ambientais nas cidades-sede. No entanto, a experiência passada mostrou que esses eventos, muitas vezes resultam em despejos forçados, deslocamentos, as operações de varredura contra os sem-teto e de um aumento geral do custo da habitação adequada ".

"A situação é, infelizmente, não é diferente no Brasil, como nós falamos. Espera-se que o campeão de muitas copas de futebol iria usar esta oportunidade para mostrar ao mundo que também é um campeão do direito à moradia, em especial para as pessoas que vivem na pobreza, mas a informação que recebi mostra o contrário ", acrescentou Raquel Rolnik .

Em 15 de junho, o Brasil vai inaugurar a 2013 Copa das Confederações, um torneio de futebol internacional que serve como um prelúdio para a Copa do Mundo de 2014, também a ter lugar no Brasil. Os Jogos Olímpicos também estão planejadas em várias das mesmas cidades-sede em 2016. A organização de back-to-back megaeventos desse tipo está no centro das políticas de planejamento e desenvolvimento urbano no país.

Durante os últimos três anos, o perito independente recebeu denúncias de despejos sem o devido processo ou em detrimento de normas internacionais de direitos humanos. Em vários casos, os moradores não foram consultados e não tiveram a oportunidade de participar nas decisões que têm um impacto sério em seu padrão de vida. Preocupações também têm sido expressas sobre remuneração muito baixa que pode levar à criação de novos assentamentos informais com condições de vida inadequadas ou maiores taxas de pobreza.

"Como eu já disse muitas vezes, inclusive na comunicação com as autoridades locais e estaduais no Brasil, devem abster-se de despejos forçados na preparação para os mega-eventos. Onde os despejos são justificados, devem ser realizadas em plena conformidade com os procedimentos pertinentes e os instrumentos e diretrizes internacionais. Acima de tudo, as autoridades devem evitar a todo custo os impactos negativos sobre a então direitos humanos dos indivíduos e das comunidades, especialmente as mais vulneráveis ", o perito independente da ONU destacou.

"Dada a grande quantidade de recursos financeiros que é investido na preparação desses eventos, deve ser dada prioridade aos planos que criam e melhorar a habitação de baixa renda, incluindo a melhoria assentamentos informais e regularização. As autoridades devem assegurar que suas ações e as de terceiros envolvidos na organização dos eventos, contribuem para a criação de um mercado imobiliário estável e ter um impacto positivo a longo prazo nos moradores das cidades onde os eventos ocorrem. Devem ser tomadas medidas para evitar a especulação nos preços das casas e entregar a habitação mais acessível. "

"Eu chamo para a adopção de normas nacionais urgentes para orientar as atividades dos governos locais e terceiros envolvidos nesses projetos. Este é um passo essencial para a preparação eficaz e planejamento para a série de mega-eventos que ocorrem no Brasil. Assim como o mundo vai estar assistindo o campeão de futebol, a comunidade internacional de direitos humanos também estará observando a forma como os direitos à moradia de todos sejam protegidos nessas próximas semanas e anos ", disse o Relator Especial.

 

Raquel Rolnik (Brasil) foi nomeada Relatora Especial sobre moradia adequada como componente do direito a um padrão de vida adequado, e sobre o direito à não discriminação neste contexto, pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU em maio de 2008. Ms.Rolnik é arquiteta e urbanista, com vasta experiência na área de políticas habitacionais e urbanas.

 

Brazil: championing football... but what about housing rights?

GENEVA, 14 June 2013 - On the eve of 2013 FIFA Confederations Cup in Brazil, the United Nations Special Rapporteur on adequate housing, Raquel Rolnik, said today: “I acknowledge that mega sporting events can be an opportunity to enhance access to adequate housing, for example, by providing better transportation systems and environmental improvements in the host cities. However, past experience has shown that these events often result in forced evictions, displacement, sweeping operations against the homeless and a general augmentation of the cost of adequate housing.”

“The situation is, unfortunately, not different in Brazil as we speak. We expected that the champion of many football cups would use this opportunity to show the world it is also a champion of the right to housing, in particular for people living in poverty, but the information I have received shows otherwise,” Ms. Rolnik added.

On 15 June, Brazil will inaugurate the 2013 FIFA Confederations Cup, an international football tournament that serves as a prelude to the 2014 World Cup, also to take place in Brazil. The Olympic Games are also planned in several of the same host cities in 2016. The organization of back-to-back mega events of this kind is at the centre of the urban planning and development policies in the country.

During the past three years, the independent expert has received allegations of evictions without due process or in detriment of international human rights standards. In various cases, residents have not been consulted and have not had the opportunity to participate in decisions having a grave impact on their standard of living. Concerns have also been expressed about very low compensation that might lead to the creation of new informal settlements with inadequate living conditions or greater rates of homelessness.

“As I have said many times, including in communications with the State and local authorities in Brazil, they must refrain from forced evictions in the preparation for mega-events. Where evictions are justified, they should be undertaken in full compliance with the relevant procedures and international instruments and guidelines. Above all, authorities should avoid at all costs any negative impacts on then human rights of the individuals and communities, especially the most vulnerable,” the UN independent expert highlighted.

“Given the large amount of financial resources that is invested in the preparation of these events, priority must be given to plans that create and improve low-income housing, including informal settlement upgrading and regularization. The authorities should ensure that their actions, and those of third parties involved in the organization of the events, contribute to the creation of a stable housing market and have a long term positive impact in the residents of the cities where events take place. Steps must be taken to prevent speculation in housing prices and to deliver more affordable housing.”

“I call for the adoption of urgent national regulations to guide the activities of local governments and third parties involved in these projects. This is an essential step in the effective preparation and planning for the series of mega-events taking place in Brazil. Just as the world will be watching the football champion, the international human rights community will also be watching how well the housing rights of all are protected in these coming weeks and years”, the Special Rapporteur said.

ENDS

Ms. Raquel Rolnik (Brazil) was appointed as Special Rapporteur on adequate housing as a component of the right to an adequate standard of living, and on the right to non-discrimination in this context by the UN Human Rights Council in May 2008. Ms.Rolnik is an architect and urban planner with extensive experience in the area of housing and urban policies.

 

Learn more, visit: http://www2.ohchr.org/english/issues/housing/index.htm

For more information and media requests, please contact: In Geneva: Juana Sotomayor  (+41 22 917 9445 / Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. ) or write to Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. .

For media inquiries related to other UN independent experts: Cécile Pouilly, UN Human Rights Media Unit (+ 41 22 917 9310 / Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. )

UN Human Rights, follow us on social media: 
Facebook: https://www.facebook.com/unitednationshumanrights 
Twitter: http://twitter.com/UNrightswire 
Google+ gplus.to/unitednationshumanrights     
YouTube: http://www.youtube.com/UNOHCHR 
Storify:        http://storify.com/UNrightswire

Check the Universal Human Rights Index: http://uhri.ohchr.org/en

 

Qua, 12 de Junho de 2013 23:35

JORNADA NACIONAL "COPA PRA QUEM?"

JORNADA NACIONAL "COPA PRA QUEM?"

 

ATOS POPULARES UNIFICADOS EM 12 CAPITAIS DO PAÍS

Frente de Resistência Urbana - 14/6 (sexta-feira)

Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa - Semana de 10/6 a 16/6

Com o início da Copa das Confederações, no dia 15 de junho, Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa – ANCOP e a RESISTÊNCIA URBANA - Frente Nacional de Movimentos realizarão, durante toda a semana, uma série de ações e atos em diversas cidades do país para perguntar “Copa Pra Quem?”, e denunciar as violações de direitos humanos que estão ocorrendo por conta da realização dos megaeventos esportivos (Copa 2014 e Olimpíadas 2016) e dos megaprojetos.

São Paulo realizará o ato “Copa Pra Quem?” no dia 14, na Av. Paulista. O Comitê Popular da Copa se concentrará às 14hs, em frente ao número 1800 e a Ação Unificada com as ocupações da resistência Urbana se iniciará as 16hs, no MASP e seguirá em marcha pela Avenida. Haverá escracho do José Maria Marin e futebol na rua (time do capital x time do povo).

Em Brasília, sede da abertura da Copa das Confederações, haverá um grande ato no dia 15, sábado, às 10hs, com concentração na Rodoviária / Feira da Torre. Dia 14, mobilização no plano piloto.

No Rio acontecerá a "Copa Popular - Contra as Remoções", no dia 15 de junho, no Quilombo da Gamboa, a partir das 9h. O campeonato quer promover a integração das comunidades ameaçadas de remoção na cidade no processo de preparação do Rio de Janeiro para receber grandes eventos esportivos.

Em Curitiba, no dia 14, haverá uma grande Marcha de ocupações e afetados pela Copa, com concentração na Praça Sales Andrade, às 9h30.

Em Belo Horizonte o II Seminário do Comitê Popular dos Atingidos pela Copa de BH será realizado nos dias 13, 14 e 15. O encerramento será com uma "Copelada" na rua.

Em Natal, no dia 13, acontecerá o Abraço ao Parque, que tem por finalidade chamar a atenção da sociedade natalense e dos seus gestores para a inaceitável desapropriação de cerca de 30 mil m² do Parque das Dunas, assim como o investimento de 221 milhões em 4 km de via (aproximadamente 55 milhões por km), para a execução da obra de reestruturação da Avenida Eng. Roberto Freire. 

Em Porto Alegre o ato será no dia 14, às 19h, no Largo Glenio Peres.

No dia 10, em Salvador, o Comitê Popular da Copa de Salvador reuniu no espaço do Memorial das Baianas de Acarajés diversos atores sociais para apontar os impactos negativos provenientes das ações da Copa de 2014 aos auditores da Secretaria Interna da Presidência da República. Hoje, dia 11, o debate está sendo aprofundado.

Haverá ainda mobilizações em capitais que, apesar de não serem cidades-sede da Copa, estão sofrendo o impacto da exclusão e especulação imobiliária relacionadas aos megaeventos no país, em especial com despejos e remoções:

Em Belém haverá uma marcha de comunidades, no dia 14, com concentração às 9hs, no Ver-o-Peso.

Em Palmas os trabalhadores sem-teto realizarão uma manifestação no dia 14 na Avenida principal da cidade, a Jucelino Kubichek, a partir das 16hs.

Em Teresina haverá mobilização no dia 14.

Em Boa Vista haverá mobilização das famílias da Ocupação Augusto Mariano também no dia 14.

A negligência aos direitos humanos e sociais no Brasil sempre existiu, e está se intensificando nos preparativos para o evento Copa do Mundo, promovido pela FIFA (entidade com fins lucrativos). São mais de 250 mil pessoas entre removidas e ameaçadas de remoção, gastos que podem chegar a R$ 100 bilhões (aumentando a dívida pública), aumento da exploração sexual, aumento da criminalização e repressão, e inúmeras outras violações que nos fazem perguntar: "Copa Pra Quem?".



Vídeo "Quem ganha com esse jogo?":
http://www.youtube.com/watch?v=HmoLZBtqQ3c

Sites:
http://portalpopulardacopa.org.br/ e resistenciaurbana.org

Abaixo-assinado contra a exploração sexual:
http://www.change.org/pt-BR/petições/governo-federal-entre-em-campo-pelos-direitos-de-crianças-e-adolescentes

 

Durante todo o mês de junho estaremos enviando mais informações. Manifesto anexo.

Contatos:

Belém: Regina
(91 8328-0792) / Rui (91 8255-6788)

Belo Horizonte: Rafael (31 8812-0110)

Boa Vista: Maria Ferraz (95 9153-0292)

Brasília: Edson (61 8139-5814) / Duda (61 8148-9125) / Francisco (61 9222-1658)/ Larissa  (61 9684-5609)

Curitiba: Fernando (41 9911-4274) / Crisanto (41 9815-8685)

Natal: Eloísa (84 8756-9737)

Palmas: Mendonça (63-8102-7279)

Porto Alegre: Cláudia (51 9666-9274)

Rio de Janeiro: Mário Campagnani (21 9849-2025)

Salvador: Argemiro (31 7510-5049)

São Paulo: Simões (19 8219-4185) / Guilherme (11 98375-4701) / Patrícia (11 96716-7244)/ Thais (11 99755-2474)

Teresina: Romualdo Brasil (86 9938-0500)

 

Ideia é pegar carona na abertura da Copa das Confederações,

que começa sábado, em Brasília, para chamar a atenção

para remoções forçadas e outras arbitrariedades

 

por Tadeu Breda, da RBA publicado 10/06/2013 18:09, última modificação 11/06/2013 12:17

São Paulo – Movimentos sociais de todo o país realizam nesta semana uma jornada de mobilização com o objetivo de denunciar os “efeitos colaterais” provocados pelos preparativos para a Copa do Mundo sobre os direitos humanos e sociais dos brasileiros – sobretudo da população de baixa renda. Cerca de 15 cidades deverão assistir a marchas, manifestações e seminários até sábado (15), quando tem início em Brasília a Copa das Confederações. Os protestos foram convocados pelos grupos reunidos na Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa (Ancop) e na Frente de Resistência Urbana.

A agenda ainda não está completamente definida, mas já estão confirmadas mobilizações de rua em São Paulo e Porto Alegre, no dia 14, e no Rio de Janeiro e Brasília, no dia 15. Belo Horizonte terá seminário de três dias para discutir as consequências da Copa do Mundo. Discussões também ocorrerão em Natal. De acordo com a Ancop, algumas cidades que não sediarão jogos do torneio também devem se unir às manifestações, como Belém, João Pessoa, Boa Vista e Teresina.

As principais críticas dos movimentos sociais à organização da Copa se relacionam às remoções forçadas de famílias que residem – ou residiam – no entorno dos estádios. Apesar da falta de dados oficiais, a Ancop acredita que aproximadamente 250 mil pessoas em todo o país já foram despejadas ou estão ameaçadas de despejo devido às obras preparatórias para o torneio – que também incluem melhorias viárias. No último 28 de maio, ativistas brasileiros foram à sede das Nações Unidas, em Genebra, para denunciar as violações (veja o vídeo exibido na ocasião).

Descaso

“Muitos direitos humanos e sociais já são normalmente violados no Brasil”, afirma Patrícia Abdalla, membro da Ancop, “mas os megaeventos intensificam essas violações: as remoções são feitas com maior agilidade e muitas vezes de forma violenta. Os moradores em geral não são chamados a participar das decisões e sofrem com a falta informação. No fim das contas, o problema habitacional não é resolvido.”

De acordo com Guilherme Boulos, membro da Frente de Resistência Urbana, esta será a terceira grande mobilização nacional contra as arbitrariedades da Copa do Mundo no Brasil. “Em agosto de 2011 estivemos no Ministério dos Esportes com duas mil pessoas, no ano passado ocupamos o canteiro de obras de vários estádios do país e agora, na abertura da Copa das Confederações, queremos reafirmar que as autoridades não deram acompanhamento nem solução aos problemas enfrentados pela população.”

Além das remoções, os movimentos sociais criticam o elevado montante de recursos públicos canalizados para a realização do megaevento – que podem chegar a R$ 100 bilhões. “É dinheiro que poderia ser usado para educação e saúde de qualidade, transporte público mais eficiente e saneamento básico, por exemplo”, aponta Patrícia Abdalla. “Destinar bilhões de reais em linhas de crédito do BNDES ou isenções fiscais enquanto nossa população padece de necessidades básicas também é uma violação aos direitos humanos”, complementa Guilherme Boulos.

Modelo

A Ancop e a Frente de Resistência Urbana defendem que as remoções, quando realmente necessárias, sejam feitas “chave por chave” – isto é, as famílias apenas devem deixar suas casas quando já tiverem outro lugar para morar. Os movimentos exigem ainda um plano governamental para o combate à exploração sexual de mulheres, crianças e adolescentes, que já ocorre no Brasil, mas que, acreditam, deve se intensificar com a massiva chegada de turistas para a Copa.

Outra demanda da jornada de mobilização é garantir trabalho para todos os vendedores ambulantes e pequenos comerciantes que sempre atuaram no entorno dos estádios – mas que durante o torneio podem ser proibidos de vender seus produtos. “Em Salvador queriam impedir até mesmo as baianas de vender acarajé”, lembra Patrícia Abdalla. Os movimentos sociais também pedem condições dignas para trabalhadores da construção civil que estão empregados nas obras da Copa.

“Não somos contra a Copa do Mundo, mas contra esse modelo de Copa do Mundo que é feito às custas do povo e dos trabalhadores do país, com obras realizadas sem diálogo com a população e com a imposição de legislações que favorecem o interesse econômico de patrocinadores da competição”, argumenta Boulos. “Mas seria preciso haver transformação completa na Fifa e em todo o futebol mundial para termos outro modelo, mais sintonizado com os interesses populares.”

Extraído de: http://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2013/06/movimentos-sociais-se-mobilizam-em-15-cidades-contra-violacoes-promovidas-pelas-obras-da-copa-1424.html

 

 

Qua, 05 de Junho de 2013 14:57

Direitos das Crianças e Adolescentes

Em tempos de criminalização da juventude... de proposta de redução da maioridade penal... de violência arbitrária e direitos desrespeitados, nada melhor que começar uma nova campanha!!

Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa - ANCOP e Redes Nacionais de Defesa dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes lançam abaixo assinado pelo direito de Crianças e Adolescentes no contexto dos Mega Eventos.

Afinal.. segurança pro turista é que não falta...já proteção contra exploração sexual..governo nenhum fala..

assine e ajude a divulgar!!

http://www.change.org/pt-BR/petições/governo-federal-entre-em-campo-pelos-direitos-de-crianças-e-adolescentes?utm_campaign=mailto_link&utm_medium=email&utm_source=share_petition#share

Pelo menos 27 pessoas foram presas, entre os manifestantes que realizavam um acampamento no local contra o corte de 115 árvores

 

29/05/2013

 

Samir Oliveira, Iuri Müller, Ramiro Furquim e Igor Natusch,

do Sul 21

 

Na madrugada desta quarta-feira (29), a prefeitura municipal de Porto Alegre e a Brigada Militar do Rio Grande do Sul deram início à operação para derrubar as árvores próximas à Usina do Gasômetro e desmontar o acampamento em que manifestantes resistiam à medida, localizado ao lado da Câmara Municipal. Pelo menos 27 pessoas foram presas e conduzidas para a sede do 9º Batalhão de Polícia da Brigada Militar, localizado em frente ao Mercado Público, no Largo Glênio Peres.

A operação começou entre as 3h e as 4h desta madrugada. Enquanto a polícia se dirigia ao acampamento, a EPTC realizava a interdição de todas as vias que davam acesso ao trecho onde estavam as mais de 100 árvores a serem cortadas.

Na noite de ontem (28), os manifestantes foram surpreendidos por uma ordem judicial que previa a reintegração de posse do acampamento para reiniciar as obras de duplicação da via – ordem retirada pela própria Prefeitura poucas horas depois. O poder municipal havia alegado que buscaria outra solução para o impasse. No entanto, na madrugada desta quarta-feira, por volta das 3h, a operação teve início na Avenida Beira-Rio e pôs fim à resistência que os acampados mantinham há mais de quarenta dias.

As vereadoras Sofia Cavedon (PT) e Fernanda Melchiona (PSOL), presentes nas últimas marchas sobre o tema, acompanharam a situação dos ativistas, que tiveram que assinar termos circunstanciados no 9º BPM. Eles foram acusados dos crimes de desobediência, desacato e resistência. Segundo o Tenente Claudio Bayerle, do 9° Batalhão da Brigada Militar, três pessoas foram liberadas já no início da manhã por serem menores de idade.

O procurador-geral do Município, João Batista Linck Figueira, afirmou ao Sul21 que as tratativas para reiniciar a obra foram conjuntas: ”A decisão obviamente partiu da prefeitura, mas quem encaminha o momento mais adequado e as questões de segurança é a Brigada Militar”.

A advogada Karen Becker, a primeira a conseguir ingressar dentro do 9º BPM, ainda por volta das 5h30min, afirma que houve truculência no trabalho policial: “Eles foram algemados indevidamente e alguns tiveram lesões. Além disso, alguns pertences do grupo foram quebrados”. Ela conta que os manifestantes presos não puderam recolher seus documentos para comparecer identificados à delegacia.

 

Ativistas relatam agressões sofridas por policiais militares

Os manifestantes que estavam detidos no 9º Batalhão de Polícia Militar foram liberados por volta das 7h50min e se dirigiram a um caminhão que estava estacionado próximo ao local com todos os pertences e equipamentos recolhidos no acampamento. A todo momento, eles exibiam materiais que foram danificados durante a operação.

“Éramos no máximo 30 pessoas dormindo no acampamento e chegaram mais de 150 policiais do Choque batendo nas pessoas e derrubando as barracas. Tiraram um cachorro que estava no meu colo e me jogaram no chão. Eram três policiais em cima de cada um”, relata a ativista Laís Miranda.

Outro manifestante afirma que a operação foi “extremamente rápida” e que, além das agressões físicas, os policiais insultaram os acampados com xingamentos como “vadia” e “cadela”.

Rodrigo Alberto estava dormindo quando a Brigada Militar chegou e conta que foi arrancado à força de sua barraca. “Eu estava dormindo e me puxaram para fora da barraca e me deram um soco na barriga”, recorda.

De acordo com o relato dos manifestantes, eles foram algemados já no acampamento. Durante cerca de 20 minutos a polícia teria reunido o grupo em um espaço do acampamento e os algemado.

Após o recolhimento dos pertences, os ativistas se dirigiram ao Hospital de Pronto-Socorro (HPS) para realizar o exame de corpo de delito. A maioria deles apresentava arranhões, lesões e escoriações no braço e nos pulsos por conta das algemas. Em seguida, o grupo pretende organizar um protesto em frente à prefeitura da Capital.

Abaixo, veja mais fotos da operação:

Fotos: Ramiro Furquim/Sul21

 

Extraído de: http://www.brasildefato.com.br/node/13063

CARTA ABERTA

Os primeiros habitantes do Horto Florestal, no bairro do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, foram escravos africanos trazidos para o cultivo de cana e café, a partir de 1578. A estes se juntaram trabalhadores livres, na construção da Fábrica de Pólvora e do Jardim Botânico, iniciada por D. João VI, em 1808. Os descendentes destes escravos e trabalhadores pioneiros formaram o núcleo de nossa comunidade, que hoje conta cerca de 600 famílias.

Longe da cidade, sem transportes nem serviços, a Administração do Jardim Botânico lhes oferecia terrenos, próximos ao trabalho, e a licença para neles construírem suas casas, onde eles e seus descendentes viveram em paz com suas famílias, por décadas. Presenciaram e participaram da própria História do Rio de Janeiro, e do Brasil: Getúlio Vargas visitava o Horto, no dia da Festa da Árvore, Juscelino Kubitschek inaugurou, com sua mãe Julia, a escola nomeada em homenagem a esta, para atender às crianças do bairro. Muitos trabalharam na formação da Floresta da Tijuca, e foram a força motriz a preservar o Jardim Botânico, como a verdadeira joia para nossa cidade que é até hoje.

Em praticamente qualquer país livre do mundo, a mera residência no local por tantos anos, sem tantas outras considerações históricas, sociais, morais e éticas, seria suficiente para assegurar aos moradores a plena propriedade de suas casas. Mas, com o crescimento do Rio de Janeiro, o Horto foi alcançado pela Zona Sul, a mais procurada da cidade, e a própria vizinhança do Jardim Botânico tornou-se grande fator de valorização. Na ditadura militar, começaram as tentativas de expulsão dos moradores da área, tornada objeto de desejo dos ricos, assim como da rede de comunicação dominante do País, que lá se instalou em 1965, e é hoje a maior proprietária de imóveis no bairro.

Mas, felizmente para o povo brasileiro, nos últimos anos o ambiente político e jurídico-institucional mudou. Com base nos princípios democráticos da Constituição de 1988, foi há dois anos iniciado pela Secretaria do Patrimônio da União um trabalho sério, assessorado pela Faculdade de Urbanismo da UFRJ, visando à regularização fundiária da comunidade, com a conciliação de todos os fatores – ecológicos, sociais, e histórico-culturais. A partir daí, os poderosos interesses econômicos contrariados iniciaram uma feroz reação, cuja truculência chega agora ao auge. Para um império da mídia, que não reluta em deformar notícias e retorcer a verdade, é fácil convencer nossos concidadãos de que está em curso uma “invasão do Jardim Botânico”, o qual está sendo “favelizado”, e assim voltar massivamente contra nós bem-intencionados defensores da ecologia, e a opinião pública em geral. Alvo constante de ataques injuriosos, de ofensas abertas, de mentiras deslavadas, não temos recursos financeiros que nos possibilitem a defesa, e as poucas vozes honestas que, na mídia e no Congresso, se erguem em defesa da verdade, e dos nossos direitos, são imediatamente abafadas, e seus donos vilipendiados.

Recentemente, foi alegado que o tombamento pelo IPHAN do Jardim Botânico, em 1938, e do conjunto arquitetônico do Horto, em 1973, “incluiria” a sua vizinhança, já então ocupada pela comunidade. Fato inédito: uma área tombada, não para preservá-la no estado em que se encontrava, cujo interesse histórico e artístico teria que justificar tal medida, mas para modificá-la num futuro distante, de acordo com projetos inexistentes à época. Inacreditavelmente, com base neste argumento ridículo o Tribunal de Contas da União determinou à SPU interromper seus procedimentos: um Ministro do TCU, em absoluto arrepio à dignidade que deveria se associar a seu cargo, nos comparou de público a “mendigos invadindo a Praça Nossa Senhora da Paz”, com grande estardalhaço na mídia.

Não há qualquer invasão ao Jardim Botânico, o qual nós seríamos os primeiros a defender. Sob este pretexto, e de uma fictícia necessidade de expansão, o que se pretende é levar a cabo uma “limpeza étnica e social” do bairro, para atender a interesses nada obscuros, porém inconfessáveis: destruir toda uma comunidade, apagá-la da história, para “melhorar” a vizinhança. Às autoridades, em todos os níveis, dos três Poderes do Estado democrático brasileiro, denunciamos este atentado covarde, insidioso e vil, à História, à verdade, à justiça, e aos direitos sociais e humanos de centenas de cidadãos brasileiros.

Aos nossos concidadãos, do Rio de Janeiro, do resto do Brasil, e de todo o mundo, pedimos: não se deixem levar pela força do dinheiro! Não sejam enganados, não se transformem em massa de manobra dos inimigos do povo, para servir aos interesses deles! Se puderem, venham aqui, vejam com seus próprios olhos a verdade: que não há invasão alguma do Jardim Botânico, fora das páginas de um jornal, e da tela de sua televisão. Conheçam de perto nosso bairro, as crianças que brincam, os idosos nascidos aqui. É um belo passeio, e serão muito bem-vindos.

Precisamos do Socorro de Todos! Todos que acreditam num Brasil Democrático voltado para o seu povo. Todos que são contra essas ações em favor dos mega-eventos que estão para acontecer no Rio de Janeiro.

Estamos vivendo uma ditadura em pleno ano de 2013.

Gostaríamos, também, de poder contar com o maior numero de apoio possível, de todos os grupos envolvidos na questão de Direito à Moradia, pois  estão "Torturando" nossos velhos (a maioria nascida e criada no Horto, hoje com mais de 80 anos de idade) e nossas crianças.

 

Comunidade do Horto Florestal - RJ