Dom, 21 de Outubro de 2012 02:10

The Olympic City Project

Fonte: Observatório das Metrópoles, 17/10/2012

O que acontece com uma cidade após os Jogos Olímpicos acabarem? Após o término de evento, em que as medalhas foram entregues e a tocha se extingue, o que acontecerá? A partir desses questionamentos, o fotógrafo Jon Pack e o cineasta Gary Hustwit deram início ao “The Olympic City Project”. Desde 2008, o projeto tem registrado o legado dos Jogos Olímpicos de algumas antigas cidades-sede, fotografando os sucessos e fracassos, os lugares esquecidos e os fantasmas do espetáculo olímpico. O texto sobre o “The Oympic City Project” é um dos destaques do Boletim Copa em Discussão nº 13.

Até o momento, Jon Pack e Gary Hustwit já documentaram Atenas, Barcelona, Cidade do México, Los An-geles, Montreal, Lake Placid, Roma, Sarajevo, além de Pequim, Moscou, Berlim e Londres. O lançamento ocorreu no dia 07 de agosto deste ano, em Nova York, na Storefront for Art and Architecture, com a exposição fotográfica “The Post-Olympic City”. O projeto culminará com a publicação de um livro de fotografias de edição limitada, em março de 2013.

No lançamento, os idealizadores afirmaram que “alguns lugares olímpicos antigos são adaptados e usados de modo que desmentem suas grandes origens; transformados em prisões, habitação, centros comerciais, ginásios, igrejas. Outros ficam sem uso por décadas e se tornam cápsulas trágicas do tempo, exemplos de planejamento equivocado e promessas quebradas dos benefícios que os Jogos trariam”.

Veja album de fotos uol: Sedes olímpicas vazias após fim dos jogos

O texto sobre o “The Oympic City Project” é um dos destaques do Boletim Copa em Discussão nº 13, periódico eletrônico editado pelo Núcleo Curitiba do INCT Observatório das Metrópoles, Projeto Cidade em Debate e LaDiMe. Esta edição traz uma seleção de fotos de Jon Pack e Gary Hustiwit.

 

Acesse o Boletim Copa em Discussão nº 13 aqui.

“No momento em que a gente deixa parte da população fora da cidade, não há condição de falar em democracia”. A afirmação da professora da FAU/USP Ermínia Maricato foi feita durante o primeiro encontro da série de debates “Copa: Esporte, Paixão e Negócio”, promovida pelo Comitê Popular Rio Copa e Olimpíada. No auditório da ABI, no centro do Rio, Ermínia dividiu o palco com o jornalista Juca Kfouri e com o historiador Luiz Antônio Simas. Eles falaram sobre a falta de transparência nos preparativos dos megaeventos, a elitização do futebol e a ausência de um legado efetivo para a sociedade brasileira.

Sáb, 10 de Dezembro de 2011 23:07

Copa do Mundo – De qual legado se está falando?

A Revista Le Monde Diplomatique Brasil, do mês de novembro/2011, traz como tema central a Copa do Mundo é Nossa. E a capa nos brinda com várias interpretações. Ao olharmos a taça, objeto de desejo dos maiores times do mundo, está desenhada e coberta por mãos e notas de dinheiro, demonstrando a lógica dos artigos e a crítica ao modelo de cidade corporativa que as obras e investimentos estão impondo as cidades brasileiras.